sexta-feira, 6 de maio de 2011

Resenha - Puella Magi Madoka ☆ Magika! [anime]

Desculpem o atraso da resenha. Comecei escrevendo ela na terça, mas só terminei agora. >: Bem, nova resenha, e dessa vez um anime!

Fazia tempo desde que eu não acompanhava um anime (Animação Japonesa). Acho que o último que (re)vi foi Romeo x Juliet, ao menos segundo minha pasta de vídeos. Os OVAs de The Tyrant certamente não contam.

Vamos a resenha, então?


Puella Magi Madoka Magika (Mahou Shoujo Madoka Magica), cuja tradução aproximada seria "Garota Mágica Madoka da Magia". E redundância à parte, certamente não é uma tradução incorreta, ao menos do latim. (Que fica algo como Garota da Maga Madoka Mágica)(?).

Uma olhada rápida sobre Madoka (a abertura realmente daria essa impressão por si só), levaria alguém a acreditar que seria um típico Mahou Shoujo qualquer, ao estilo Sakura Card Captors, Corrector Yui ou Tokyo Mew Mew. O tipo de desenho perfeito pra sua irmã mais nova.





Bem, não é um desenho que sua irmã mais nova gostaria de ver.


Do estúdio SHAFT e escrita por Gen Urobochi (também criador de Fate/Zero e famoso por suas séries com viradas surpreendentes e massacres), Madoka inicia com a protagonista, Madoka Kaname, tendo um sonho sobre um futuro apocalíptico em que vê uma garota batalhando contra um monstro enorme que trouxe esse caos. Nisso uma criatura, muito parecido com uma cruza de gato e esquilo (?), aparece e revela que ela seria capaz de ajudar a outra garota caso tornasse-se uma Garota Mágica.

Ao acordar e ir para o colégio, ela se surpreende ao ver que a garota de seu sonho é uma nova aluna em sua turma, Homura Akemi. E esta a alerta: se Madoka não desejar perder o que é mais precioso para ela, é melhor que ela permaneça como está.

Claro que este aviso enigmático passa despercebido por nossa protagonista, que ao ouvir uma voz em sua cabeça pedindo ajuda, acha o misterioso bicho de seu sonho. E ele está sendo atacado por nada menos que Homura, vestida com roupas estranhas e fantásticas. Após ser salva por uma veterana chamada Mami Tomoe, Madoka e sua amiga Miki Sayaka descobrem que aquela criatura fantástica, chamada Kyubey, pode realizar qualquer desejo delas se em troca elas se tornarem Puella Magi.

Claro, com uma sinopse enganadora como esta, digna de qualquer mahou shoujo, Madoka parece comum. Digo que só parece. Na verdade, o anime é a essência de uma desconstrução do gênero. Garotas de quinze anos enfrentando Bruxas é assustador. Bruxas não são pessoas nem ao menos são antropomorfizadas - elas parecem realmente e no melhor sentido da palavra, monstros.

Cada uma cria seu próprio labirinto temático (a primeira, Gertrudes, tem um jardim. O labirinto da Charlotte é feito de doces, e por aí vai.). Elas tem servos, os Familiares, que se consumirem uma pessoa, tornaram-se uma cópia da Bruxa. Sem falar que o beijo da Bruxa leva ao suicídio - no quarto episódio, leva a um grupo de pessoas a formar até um pacto

Aliás, a música é perfeita. Cortesia da salve salve Yuki Kajiura.

A exibição do anime terminou no mês passado, e posso lhes dizer: não poderia ser mais bonito. O final é lindo, e posso dizer que chorei copiosamente.

Recomendado à todos. Menos pras garotinhas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário